Dietas Malucas das Famosas

Dietas Malucas das Famosas

Muitas vezes acreditamos que realmente existe um milagre para a perda de peso, mas será que estas dietas são realmente saudáveis?

As dietas milagrosas do verão são as mais diversas possíveis e têm em comum a promessa de grandes resultados em curto período de tempo.

Entretanto, estas dietas intensas e de curto prazo não tem nenhum embasamento científico. “Realmente elas levam a perda de peso, mas, se caracterizam por serem transitórias, não sustentáveis e muitas vezes perigosas por causarem uma série de efeitos colaterais”, afirma a endocrinologista Dra. Rosália Padovani.

De acordo com a ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), considera-se sucesso de uma dieta, a habilidade de atingir e manter a perda de peso de forma definitiva. Algo que estas dietas malucas não prometem, pois a perda de peso temporária não pode ser considerada efetiva.

Para algo sustentável é preciso que o controle da ingestão e manutenção da atividade física façam parte da rotina. Assim antes de prescrever uma dieta é importante entender o perfil e o padrão alimentar de cada paciente (beliscador, hiperfagico e etc) e adequar o tratamento para as características e exigências de cada um.

Assim, para aqueles que desejam não só perder peso, mas também manter o peso alcançado, o ideal é procurar um especialista e uma orientação individualizada visto que não existe uma “receita de bolo” que se adeque a todo mundo.

A nutricionista Angelica Grecco faz um alerta, “Antes de começar uma dieta só porque ela está na moda, o ideal é procurar um corpo de profissionais, nutricionistas e endocrinologistas, para que o paciente tenha o resultado esperado e com qualidade e saúde. Só um profissional pode acompanhar e prescrever os alimentos que são essenciais para o estilo de vida e finalidade de cada pessoa”.

Abaixo você confere os pós e contras de cada dieta na opinião de nossas especialistas,

Dra. Rosália Padovani, endocrinologista

  • Papinha de nenê: Está na moda por ter sido seguida por celebridades como a atriz Jennifer Aniston. Consiste em uma dieta hipocalorica onde se substitui 2 das refeições diárias por uma papinha de nenê que contem em media 60 kcal e pouca gordura na composição. As outras refeições devem ser leves e ricas em legumes e verduras. O princípio é o baixo consumo calórico e a vantagem é que o alimento é de fácil acesso, considerado seguro, contém pouca gordura e pouco sal. Algumas desvantagens são a falta de sabor, a pouca quantidade de alimento, o custo e principalmente o fato de que ninguém aguentaria comer papinha de bebê todos os dias por um longo período de tempo. Portanto novamente estamos falando de algo não sustentável.

 

  • Dieta da água com limão: vem da medicina oriental. Tata-se nada mais nada menos do que tomar água com limão em jejum. Pode trazer alguns benefícios como melhora da digestão e na quantidade de vitamina C agregada, porém, vale lembrar aqui que este hábito sozinho, não faz milagres. Ele deve estar associado a uma dieta balanceada de forma que a água com limão sejam simples aliados. Não deve ser recomendada para pacientes que apresentam gastrite, úlceras e varizes de esôfago.

 

  • Dietas da proteina: buscam cortar ou reduzir drasticamente o consumo de carboidratos e aumentar o consumo de proteína de forma que 30 a 40% das calorias ingeridas na dieta venham das proteínas. A ingesta de proteína aumentada leva a um aumento da saciedade e do metabolismo e a redução do consumo de carboidratos provocando queda dos níveis de insulina e aumento da liberação de glucagon que promove a queima de gordura. Existem diversas variantes desta dieta: Dukan, Atkins, cetogênica. A grande vantagem desta dieta é a rápida perda de peso e o fato de, por levar a cetose, causar uma duradoura sensação de saciedade. Entretanto, pode causar efeitos indesejáveis como obstipação intestinal, tontura, desânimo, alteração de memória, aumento dos níveis de colesterol e sobrecarga renal.

 

  • Jejum intermitente: definido como um estilo de vida ou uma estratégia nutricional, o jejum intermitente se caracteriza pela utilização de períodos longos de jejum alternados com com períodos de consumo alimentar. Os protocolos são diversos ( 12, 24, 36 horas… ) sendo o mais usado: 14 horas para mulheres e 16 horas para homens. Diversos estudos vem sendo feitos para entender como funciona o jejum intermitente e diversos já mostraram que a ausência de alimento por um período mais longo estimula processos de reparação das células, modifica os hormônios e leva sim a queima de gordura. Em resumo, ele emagrece. Porém, apesar de diversos benefícios, ele não é recomendado para:
  • Diabéticos
  • Hipertensos, principalmente se em uso de medicações
  • Crianças
  • Gestantes
  • Idosos

Dieta pegana: consiste na combinação entre 2 dietas: vegana e paleolítica.A paleolitica se baseia no consumo de carnes magras, peixes, vegetais, nozes, sementes e frutas. Na dieta vegana, todos os alimentos de origem animal, incluindo ovos, leite e derivados, são excluídos. Na dieta pegana tudo que vier diretamente da natureza é liberado assim como frutas, legumes e produtos orgânicos de origem animal tais como pescados e carnes. É uma dieta que elimina o consumo de açúcar, alimentos processados, embutidos e gorduras saturadas além de restringir o consumo de laticínios. Mais do que uma dieta é na verdade um estilo de vida e o maior problema neste caso é a dificuldade social. Além disso, pacientes que optam por este tipo de alimentação devem ficar atentos a problemas como deficiência de ferro e de vitamina B12 que podem ocorrer. Angélica Grecco, nutricionista

1-)DIETA DA ÁGUA COM LIMÃO EM JEJUM.

PRÓS: A água com limão ajuda o sistema imune mediante a hidratação e a reposição dos fluídos perdidos pelo corpo. Os limões também são ricos em minerais e vitaminas que ajudam a eliminar as toxinas do trato digestivo. Ao tomar suco de limão, as toxinas são liberadas em um ritmo mais rápido, ajudando a manter a saúde do trato urinário. Dessa forma, ela ajuda na hidratação, atua como antioxidante e pode agir como remineralizante.

CONTRAS: Se consumido em excesso, pode levar ao desencadeamento de refluxo, azia, dores de estômago.

2-)DIETA DA PAPINHA DE BEBÊ

PRÓS: O alimento é seguro para consumo, já que é preparado para o público infantil, o qual está fase de crescimento e necessita de alimentos que contribuam para uma formação mais completa de vitaminas e minerais.A papinha de bebê contém baixo teor de sal, ingrediente que pode contribuir para retenção de líquidos, influência que prejudica muitas pessoas que desejam perder peso. A papinha tem baixa quantidade de sal e gorduras.

CONTRAS: O baixo percentual de calorias e de gordura pode ser seguro para um bebê, mas isso se torna um malefício para você, já que precisa de mais nutrientes para obter um bom rendimento nas atividades diárias. A inadequação do fornecimento de nutrientes pode levar à desnutrição.A falta de gosto também pode ser um pouco desmotivador, esse pode ser um fator que pode dificultar a permanência na dieta e as pequenas porções podem não satisfazer o apetite de algumas pessoas. Além de um custo elevado, pois a papinha de bebê pode deixar de ser barata se comprada em alta quantidade.

3-) DIETA DA PROTEÍNA

PRÓS: Alimentos protéicos demoram mais tempo a serem digeridos e absorvidos pelo organismo. Por isso, prolongam a sensação de saciedade e reduzem a compulsão por carboidratos e doces. Com a demora na digestão na dieta das proteínas, o organismo passa a usar a gordura para produzir energia, o que leva à perda de peso.Além disso, as proteínas favorecem a construção de músculos, que aceleram o metabolismo, favorecendo o emagrecimento.

CONTRAS: Porém o alto consumo de gordura saturada não é saudável, pois pode levar à sobrecarga hepática e renal, por elevação da taxa de ácido úrico, e a doenças cardiovasculares, por conta da elevação dos níveis de gordura no sangue que aumentam o mau colesterol.Outro problema é que a eliminação do consumo de carboidratos provenientes de frutas, cereais integrais e pães, faz com que a dieta fique pobre em fibras que são importantes para o controle da glicemia, dos níveis de gordura no sangue e para o funcionamento do intestino.

4-) JEJUM INTERMITENTE

O jejum intermitente é um estilo alimentar que alterna períodos com refeições e períodos de jejum. O espaço de tempo que separa cada refeição depende do tipo de jejum que se faz.A maioria dos testes foram realizados em animais de laboratório, não sendo ainda concreta a eficácia no organismo humano.Além disso, nenhum dos estudos analisou o efeito a longo prazo, mantendo-se desconhecidas as consequências futuras que esta dieta pode ter.

5-)DIETA PEGANA (PALEOLITICA E VEGANA)

A dieta paleo tem esse nome porque ela se baseia em alimentos proteicos, como era comum no período Paleolítico. Estão na dieta carne magra, peixe, frutas, vegetais, nozes e sementes. Já a vegana exclui todos os alimentos de origem animal, incluindo ovos e laticínios.Dessa forma, sabe-se que não devemos excluir nenhum grupo alimentar do nosso cardápio e que devemos saber as quantidades adequadas de ingerir os seus itens.

PRÓS: A dieta pegana é benéfica já que é muito saudável, ao combinar proteínas, vegetais e frutas.

CONTRAS: Porém a restrição de alimentos importantes para uma dieta balanceada, como carboidratos, legumes e laticínios, pode trazer prejuízos ao organismo.

Fonte: https://expressaoabcelitoral.com.br/dietas-malucas-das-famosas/

Conheça mais as especialidades da Dra. Rosália Padovani