Anemia na Gravidez

Anemia na Gravidez

Anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal, levando à diminuição da capacidade de transporte de oxigênio.

👉As causas podem ser genéticas ou por deficiência da ingestão de micronutrientes (ferro, folato, vitamina B12) ou outras condições que levam a perda ou necessidade aumentada ou ainda absorção diminuída dos mesmos.

👉Fisiologicamente, na gravidez ocorre aumento de cerca de 35% da massa eritrocitária e aumento de 40 a 50% do volume plasmático o que pode causar hemodiluição e diminuição fisiológica da hemoglobina e hematócrito.

👉Assim, se considera anemia na gravidez se os valores de hemoglobina (Hb) <11 g/dL e hematócrito (Hct) <33% no 1º e no 3º trimestres da gravidez; Hb <10,5 g/dL e Hct <32% no 2º trimestre, e Hb <10 g/dL no puerpério.

👉A causa mais frequente de anemia gestacional é a ferropriva e ocorre por aumento progressivo das necessidades de ferro durante o 2º e 3º trimestres de gravidez

👉A anemia na gestação aumenta o risco de complicações 🤰🏻como pré-eclâmpsia, descolamento prematuro de placenta, falência cardíaca e até morte.

👉Para o feto, 👼🏻a anemia grave (Hb <7 g/dL) pode se associar a desfechos perinatais adversos (parto pré-termo (PPT), restrição de crescimento fetal (RCF) e morte fetal), sendo a incidência desses acontecimentos tanto maior quanto mais precoce for a idade gestacional de instalação da anemia.